FKCompany
Author Image
Postado Por Drakkovich
2018-02-26 11:10:17

Esports - mercado e PUBG. Como estamos?

Mercado de games. Um dos índices da economia que só crescem nos últimos 10 dez anos. Games.

Os games, ou jogos online, movimentaram US$ 1,6 bilhão (R$ 4,9 bilhões), em 2016

https://oglobo.globo.com/economia/jogos-on-line-movimentam-49-bilhoes-brasil-lidera-setor-na-america-latina-21014736#ixzz57g668X2C

Em 2017, outro recorde mundial...

https://www.gamesindustry.biz/articles/2018-01-31-games-industry-generated-usd108-4bn-in-revenues-in-2017

 

Previsões para 2018 do mercado de esports se tornar tão valorizado, a custar $1bn (um bilhão de dólares)

De acordo com a consultoria NewZoo, somos (Brasil) o quarto consumidor mundial nesse setor e ficamos em 13º lugar no ranking de faturamento

https://oglobo.globo.com/economia/emprego/games-numero-de-desenvolvedores-de-jogos-cresce-de-43-para-300-21919137

O Brasil começa a investir nesse segmento, inclusive com incentivo do Governo Federal. Um programa do setor de economia criativa do Ministério da Cultura prevê aporte de R$ 1 milhão para desenvolvedores de jogos eletrônicos do Brasil. A ideia é lançar o Brasil no mercado mundial de games.

Em novembro/2017 estive no fórum de esportividade eletrônica, em SP, e pela primeira vez podendo assistir como era nosso cenário na pratica, com pessoas influentes de mercado e governo. O governo de SP, mais uma vez, sai na frente com projetos de apoio a empresas de esporte eletrônico.

https://www.sympla.com.br/forum-de-esportividade-eletronica-no-brasil__206984

https://www.bndes.gov.br/wps/portal/site/home/imprensa/noticias/conteudo/bndes-aprova-financiamento-de-r-2-6-milh-es-para-impulsionar-mercado-de-games

Não errei em minha escolha de abrir a empresa em SP...

Continuando com o cenário, sabem a Tencent? A empresa que adquiriu direitos da Bluehole:

https://www.gamesindustry.biz/articles/2017-11-09-tencent-still-eyes-acquisition-of-playerunknowns-battlegrounds-developer-bluehole-report

https://www.pcgamesn.com/playerunknowns-battlegrounds/pubg-bluehole-tencent

 

De acordo com o relatório da NewZoo está muito bem financeiramente!

Tencent top1 companies by game revenues 2017

https://newzoo.com/insights/rankings/

Me lembro de terem levantado aqui no Linkedin a questão se PUBG se tornaria esports. Acredito que se alguém da Tencent tivesse lido a pergunta, certamente riria.

E o PUBG no Brasil?

Bom, no mundo afora o PUBG está em alta.

Análise para 2017/2018tem como PUBG top games Twitch total hours

https://newzoo.com/insights/rankings/top-games-twitch/

Desde março 2017 PUBG no top 5. Sendo que em agosto/2017 chegou a primeiro lugar em tempo total de horas assistidas. Desde então sempre no top#3 dessa métrica.

Agora, o que significa essa métrica?

Digo que, 'total hours watched" é para a pessoa que clica e assiste alguém jogando o jogo. Sendo que para "total esports hours watched" seria para público na Twitch assistindo a campeonatos de PUBG.

Ou seja, mesmo com todo o sucesso anunciado em início de 2017, recordes sendo batidos na Steam e já na Twitch, as realizadoras de campeonatos só começaram a se movimentar em 2018.

Um grande teste foi o GamesCon em Cologne na Alemanha. Ele abriu as portas e vimos como seria complicado fazer presencialmente um jogo simultâneo para 100 pessoas.

Daí, com certeza, mudaram as regras do competitivo para 64 jogadores.

Era nítido para mim que estavam aguardando a "aceitação" como esport.

Normal, entendo.

Tivemos campeonatos de PUBG nos EUA que impulsionaram a corrida para buscar quem se tornaria realizador de campeonatos de PUBG.

Agora vemos empresas como ESL, StarLadder, PGL e GlobalLoot realizando torneios classificatórios na Polônia e Romênia, em 2018. E teremos mais, certamente (Auzomm e Curse). Agora elas querem.

Ainda promovem uma vaga apenas para a "SA" (South America). Segundo alguns membros da comunidade de PUBG, devemos dar "Graças a Deus" por esta oportunidade.

A qual eu declaro ser ridícula. Passou da hora de ter alguma movimentação mais séria no mercado da América do Sul. Não devemos nada a ninguém, no que diz respeito a números de venda e engajamento.

E agora vem a análise de que o PUBG começa a ter queda de público. E isso vejo entre meus amigos de DISCORD. Os servidores SA estão infestados de "hackers", cheaters. (ou cheetos).

https://dotesports-com.cdn.ampproject.org/c/s/dotesports.com/pubg/news/pubg-player-base-declining-21140/amp

Porque? Para que?

Penso que com a facilidade de adquirir o jogo (o preço está bem acessível) e a facilidade nos sites de aposta em trocar por dinheiro os itens os quais coletamos dentro do jogo.

Compro o jogo, pego o hack, jogo 10 partidas e ganho (pois tenho hack), troco os itens das caixas no mercado. Se eu for banido, faço outra conta na Steam e começo.

Há uma falha, que está sendo analisada e resolvida pela Steam e BattleEye (sistema anti-cheat) para isso. Os números recordes de prisões de jogadores e banimento seriam para deixar feliz. Mas eu não fico. Nunca vi tanto cheater num jogo.

Ao mesmo tempo agradeço, como consumidor, as horas sem sono que provavelmente os desenvolvedores estão dedicando a corrigir estas falhas.

A FK, como líder na comunidade de PUBG no Brasil e com um dos maiores DISCORD dedicado para o game PUBG atua, também, para que isso (cheaters) seja evitado. Por controle. Temos controle de quem se cadastra no DISCORD e quem é quem na comunidade.

São mais de 80mil membros na comunidade e mais de 22mil registrados no DISCORD. Quando eles jogam em nossos servidores, sabemos quem é quem. Com o comando do "observer" dentro do jogo e a experiência de mais de 15 anos em análise de games, reduzimos em muito esse risco de ter cheaters em nossos servidores.

Um monte de gente no Brasil tem servidor. Alguém faz campeonato? Ou promove algo?

A FK faz.

Dos 712 times que jogaram a Qualify SA ESL IEM Katowice, mais de 80% eram do Brasil. E destes, tivemos 20 dos 32 times na primeira etapa e na final 13 times dos 16 que jogavam a FK League.

https://www.facebook.com/PUBGBRA/posts/2067348046842859

A FK League é o braço de eventos da FK Company. No PUBG, fazemos as Scrims que tem um foco mais no competitivo do jogo. Jogadores com rate alto que jogam.

Daí e de dentro dos nossos registros do DISCORD, temos o número de quantos jogadores que buscam o competitivo. E são muitos.

O que está acontecendo hoje no Brasil é uma corrida das empresas para ver quem lança uma plataforma para PUBG.

As regras atuais da Bluehole para realização de campeonatos espantam algumas das grandes empresas. Muitas procuraram a FK para fazer campeonatos, mais a baixa premiação e a não permissão de cobrar para jogar não fica sendo atrativa.

Empresas de grande nome querem altas premiações para os players.

E as restrições de números de observes e APIs para custom games dificultam os trabalhos de analise in game.

Ainda assim, a FK League lançou sua plataforma. Está ativa e em testes. Os jogadores estão nos ajudando a melhora-la a cada dia. E para até fim de março vamos lançar nosso anti-cheat, para agregar e mitigar ainda mais o atual problema.

fkleague.com

Confira.

Digo mais, jogue e se divirta.

Pois jogo é coisa séria, mas com um propósito básico, diversão.

Todos os dados acima foram coletados de sites de notícias e alguns diretamente da NewZoo e PricewaterhouseCoopers (PwC Brasil). Qualquer aprofundamento que você ache necessário, de uma lida por la.

Minha analise aqui é resumidamente sobre a observação do mercado mundial em relação a franquia PUBG e como está se comportando no Brasil. A FK Company está inserida nesse mercado desde 2011. Hoje, bem mais madura enxergamos claramente os desafios e a movimentação.

abraços

Deixe um comentario

Enviar